Muito sabor a injustiça na Trofa

Muito sabor a injustiça na Trofa

Não seguiu em frente a equipa que mais fez por isso. Esta frase bem pode resumir o que se passou na Trofa, em jogo a contar para a eliminatória inaugural da Taça de Portugal.

Numa tarde agradável para a prática desportiva, o cartaz era apelativo, pois opunha dois conjuntos que partilham o mesmo objetivo, na mesma série do campeonato.

O público correspondeu à chamada e proporcionou um ambiente típico dos grandes jogos, com destaque para a magnífica “onda azul”, que enviou um forte estímulo ao FC Vizela.

Os primeiros momentos da partida revelaram que a missão vizelense iria ser difícil, tal como se previa, fruto de uma entrada forte dos da casa. Bruno Moraes, antigo campeão nacional pelo FC Porto, protagonizou o primeiro remate do jogo (4’), ainda que frouxo.

Aos 10’, surgiu a primeira adversidade para o FC Vizela. Zag, que já tinha sentido um ligeiro desconforto físico durante o aquecimento, ressentiu-se e teve de sair prematuramente do jogo.

Já com João Oliveira em campo, a turma de Rui Amorim começou a impor-se gradualmente no desafio e deu o primeiro aviso aos 18’. De Leandro para Leandro, Souza captou o esférico sobre o lado direito e assistiu Borges para um disparo rasteiro e rasante ao poste.

No entanto, aos 26’, praticamente na segunda investida do Trofense, uma jogada de insistência de Paulo Pereira resultou no golo decisivo do encontro, apontado por Telmo Castanheira. Remate de primeira, muito colocado e indefensável para Rafa.

A desvantagem no marcador só serviu para potenciar o fluxo de jogo ofensivo do FC Vizela, que, rapidamente, procurou reagir ao golo sofrido.

Aos 32’, Leandro Borges esteve na génese de uma das melhores situações dos azuis e brancos no primeiro tempo. Na direita de ataque, o extremo cruzou com conta, peso e medida para o golpe de cabeça de Leandro Souza, porém a bola saiu ligeiramente por cima da trave.

Pouco depois, aos 36’, aconteceu um dos casos do jogo. Tudo começou num potente remate de João Oliveira, devolvido pela barra. Na recarga, Fall empurrou para o fundo das malhas, mas o auxiliar de Leonardo Marques considerou que existiu posição irregular do avançado senegalês.

Decisão errada e fortemente contestada pelo público vizelense, pois no momento do remate, eram três os jogadores trofenses a colocar Fall em jogo.

No reatamento, o FC Vizela entrou ainda mais determinado em dar a volta, perante um Trofense com claras instruções para preservar a vantagem tangencial.

Vários pontapés de canto e uma bela jogada entre Zé Valente e Leandro Souza foram o mote para um segundo tempo de sentido único.

Ao domínio esclarecedor do FC Vizela, só faltou melhor sorte na finalização. Weliton (54’), Fall e Zé Valente, no mesmo lance (56’), colocaram em sentido a defensiva trofense. Também Leandro Souza, de cabeça (60’), outra vez Weliton (70’) e Fall (74’) forçaram o empate.

Enquanto isso, o árbitro Leonardo Marques foi adotando um critério demasiado largo, que não penalizou o estilo mais agressivo dos jogadores da casa, um recurso muitas vezes utilizado para travar os melhores argumentos técnicos dos vizelenses.

E assim o Trofense, que, sobretudo nas bolas paradas, chegou a colocar os seus 11 jogadores confinados na sua grande área, foi adiando como pôde o tento da igualdade.

É certo que o conjunto da casa dispôs de uma rara hipótese para sentenciar a partida, por João Pedro, mas este viu Rafa impor-se com uma grande intervenção.

Contudo, foi o FC Vizela quem mais perto esteve de enviar a partida para prolongamento, numa reta final bem quente e com muita emoção à flor da pele.

Uma grande penalidade evidente por mão de um jogador trofense na área (90’) e um tempo extra escasso para a quantidade de interrupções que existiram no segundo tempo fizeram subir de tom o coro de protestos dos adeptos vizelenses.

Ainda assim, aos 93’, Zé Valente, na cobrança de um livre frontal, viu o esférico embater na barra, à semelhança do que havia acontecido com o colega João Oliveira.

Foi, portanto, com muito sabor a injustiça que o FC Vizela saiu da Trofa e da prova rainha do futebol português, mas com o coração reconfortado pela fantástica paixão demonstrada pelo numeroso público vizelense, que acompanhou a equipa.

De volta ao campeonato, o pensamento já incide na 5.ª jornada, na qual o FC Vizela fará uma viagem curta até ao terreno da AD Oliveirense, que foi afastada com goleada expressiva (6-0) em Amarante. A partida está marcada para as 15:00 horas no Campo de Ribes.

 

FICHA DE JOGO

CD Trofense 1-0 FC Vizela

Árbitro: Leonardo Marques (AF Aveiro)

Assistentes: Bruno Silva e Alcino Soeira

CD Trofense: Luís Monteiro; Leandro Albano, Diogo Silva, Mika (C) e Chiquinho (Edu Silva, 56′); Djibril (Duarte, 62′), Paulo Pereira e Telmo Castanheira; Pedro Matos, Bruno Moraes (João Pedro, 79′) e Elísio.

Suplentes não utilizados: Pedro Cavadas, Asprilla, André Viana e Serginho.

Treinador: Hélder Pereira

FC Vizela: Rafa; Rafael Viegas, Weliton (C), Aidara e Kaká; Zag (João Oliveira, 10′), Diaby, Zé Valente e Leandro Borges (André Soares, 65′); Leandro Souza (Correia, 75′) e Fall.

Suplentes não utilizados: Cajó, Silla, Igor Rocha e João Pedro.

Treinador: Rui Amorim

Golo: Telmo Castanheira (26′).

Cartões Amarelos: Djibril (12′), Chiquinho (15′), João Oliveira (35′), Elísio (80′), Edu Silva (83′), Mika (83′) e Pedro Matos (83′).

Cartão Vermelho: Pedro Matos (90’+3′).

* O treinador do Trofense, Hélder Pereira, foi expulso do banco por protestos (35′), bem como o técnico de equipamentos do Trofense, António Leite (90’+3′).