Só faltaram os golos a uma boa partida entre candidatos

Só faltaram os golos a uma boa partida entre candidatos

Havia muita expectativa em torno deste jogo grande da jornada 16 da Série A, que assinalou o regresso à competição depois de uma prolongada paragem, motivada pela quadra natalícia.

O bom tempo ajudou também a que o Comendador Abílio Ferreira de Oliveira tivesse registado uma grande enchente, com destaque para o público vizelense, que deixou o topo atrás de uma das balizas completamente lotado e que foi imparável no apoio à equipa azul e branca.

Dentro das quatro linhas, assistiu-se a um agradável espectáculo desportivo entre FC Vizela e São Martinho que, para muitos, são consideradas as duas melhores equipas do agrupamento, ou pelo menos, aquelas que praticam melhor futebol.

Como seria expectável, o conjunto da casa entrou melhor e dispôs de algumas aproximações à baliza defendida por Cajó, que deixaram um rasto de perigo.

Assim, em especial no primeiro quarto de hora, o tridente ofensivo dos da casa, formado por Nei, Vasco Costa e George Ofosu, solicitados ora por João Carneiro, ora por Pedro Rodrigues, apelaram à atenção e ao rigor defensivo dos jogadores do FC Vizela.

A partir daí, paulatinamente, o conjunto de Rui Amorim equilibrou a partida e chegou até a ter mais tempo a bola em sua posse, revelando pontualmente alguma superioridade.

André Soares, uma das novidades no onze vizelense, de forma acrobática, tentou alvejar a baliza, na sequência de um cruzamento de Igor Rocha, aos 22’. Já antes havia tentado o remate, após livre lateral de Zé Valente, mas o esférico foi contra um adversário.

As melhores oportunidades do FC Vizela no primeiro tempo surgiram já depois da meia hora. Aos 33’, Leandro Souza cabeceou não muito ao lado, depois de bom cruzamento de Rafael Viegas.

Mais tarde, aos 40’, houve sensação de golo quando Weliton, nas alturas, cabeceou por cima, desta feita na sequência de um lance de bola parada.

Pelo meio, o São Martinho também ameaçou, primeiro num livre de Babo, cujo esférico saiu ligeiramente por cima, e, sobre o intervalo, numa jogada entre Francisco e Vasco Costa, em que Cajó respondeu com arrojo junto ao solo.

A etapa complementar foi praticamente uma réplica da primeira. Outra vez o São Martinho a entrar ameaçador com Vasco Costa a rematar para defesa atenta de Cajó (53’).

No entanto, a resposta do FC Vizela chegou através de uma grande jogada entre Kuku e Zé Valente, merecedora de outro desfecho. O lance deu origem a um pontapé de canto, com Aidara (substituiu o castigado João Faria) a cabecear por cima da barra.

Neste segundo tempo, o jogo foi mais intenso e era notória a insatisfação das duas equipas pelo nulo no resultado. Ambas queriam mais e nunca se esconderam do ataque.

Os dois treinadores também queriam rentabilizar o tempo o mais possível e até as substituições foram efetuadas em simultâneo, numa situação pouco comum nos dias que correm.

Voltando ao jogo, a mobilidade de George Ofosu dava trabalho à defensiva vizelense, como seu viu aos 64’. Só que Aidara revelou-se imperial e protagonizou o corte no momento certo.

Já com Diaby em campo, este bem tentou criar as rupturas necessárias para ajudar os colegas a chegar ao golo, mas a organização defensiva dos da casa levou a melhor.

Tarcísio e Panin foram as outras apostas de Rui Amorim, sempre no sentido de proporcionar ideias frescas à manobra ofensiva vizelense.

Porém, o desempenho defensivo, sobretudo o rigor, o estudo e a concentração demonstrados por ambas as equipas, manteve o resultado a zeros. Nada que surpreenda, pois, tanto FC Vizela como São Martinho têm precisamente as duas defesas menos batidas da Série A.

A fechar o encontro, um remate de João Oliveira e um cabeceamento de Leandro Souza ao lado foram as últimas iniciativas de um FC Vizela que, neste segundo período, teve mais bola, mas também teve de lidar com alguns contra-ataques perigosos do adversário.

A divisão de pontos foi naturalmente aceitável e os muitos espectadores presentes terão saído com a convicção de que FC Vizela e São Martinho são as grandes candidatas ao play-off.

O quadro de exigência competitiva permanece elevado para a formação de Rui Amorim, pois, no próximo domingo, dia 13, há outro grande duelo em perspetiva com a AD Fafe que, à semelhança do Trofense, beneficiou deste empate para encurtar distâncias no pódio.

 

FICHA DE JOGO

São Martinho 0-0 FC Vizela

Árbitro: Ricardo Moreira (AF Vila Real)

Assistentes: Sérgio Correia e Sérgio Faceira

São Martinho: Bruno Pinto; Francisco, Tiago Valente, Manuel Pedro e Pedro Rodrigues; Babo (C), João Abreu (Olatunji, 72’) e João Carneiro (Dani, 82’); George Ofosu, Vasco Costa e Nei (Matheus Clemente, 61’).

Suplentes não utilizados: Kevin Douglas, Hugo Azevedo, Ricardo Pinto e João Sidónio.

Treinador: Agostinho Bento

FC Vizela: Cajó; Rafael Viegas, Weliton (C), Aidara e Igor Rocha; João Oliveira, André Soares (Diaby, 61’), Zé Valente e Kuku (Tarcísio, 72’); Correia (Panin, 82’) e Leandro Souza.

Suplentes não utilizados: Rafa, Fall, Kaká e Leandro Borges.

Treinador: Rui Amorim

Cartões Amarelos: Francisco (69’) e Rafael Viegas (80’).