Desfecho amargo…

Desfecho amargo…

No regresso à cidade termal, depois de duas deslocações seguidas, nas quais saiu duplamente vitorioso (nos respetivos jogos e no reforço da liderança), uma derrota pela margem mínima diante do Pedras Salgadas não estaria certamente no imaginário dos vizelenses.

Um jogo que, desde logo, ficou marcado, não só pelo golo solitário, alcançado de canto direto, mas, sobretudo, pela invalidação de um golo limpo a André Soares, que podia ter cambiado o rumo da história durante o último quarto de hora.

Perante mais público que o habitual, fruto da campanha de bilhetes mais acessíveis, lançada para este encontro, a primeira parte trouxe um FC Vizela mais instalado sobre o meio-campo do Pedras Salgadas, com registo de algumas situações prometedoras para ambos os lados.

Uma entrada algo atrevida do adversário obrigou Rafa a mostrar serviço. Estavam decorridos apenas 2’ e já Lenno testava a atenção do guarda-redes vizelense.

Pouco depois, aos 8’, Rafinha recuperou uma bola na área, fez o passe para o remate de Lenno, mas seria Zé Valente a negar as intenções de uma recarga de Alex Machado.

Do canto resultante, Rafa brilhou ao defender o cabeceamento de Lamine Ba e, no seguimento, Zé Lopes introduziu o esférico na baliza, mas estava adiantado e o lance não contou.

A partir daí, o FC Vizela pegou no jogo e pertenceram-lhe soberanas ocasiões para inaugurar o marcador. Panin foi o primeiro a mostrar serviço. E, se no primeiro lance, aos 13’, o cabeceamento não saiu com a direção desejada, no segundo, aos 17’, chegou mesmo a colocar a bola dentro da baliza, mas o árbitro Pedro Campos vislumbrou uma alegada falta de Correia sobre Lamine Ba.

Uma situação que deixou muitas, muitas dúvidas aos presentes e que marcou o início de uma arbitragem controversa, com um critério particularmente… apertado dentro das áreas.

O FC Vizela continuou a atacar com força e houve mesmo sensação de golo aos 25’. Rui Capela já tinha voado para deter o remate de Rafael Viegas, mas foi por escassos centímetros que viu Zé Valente cabecear às malhas laterais, após cruzamento bem medido de André Soares.

O Pedras Salgadas só voltou a criar perigo aos 39’, num lance em que Rafinha atirou rasteiro e Lenno quase chegou para o desvio ao segundo poste.

O mesmo Lenno voltou a ameaçar, mas os bons reflexos de Rafa, depois de um primeiro remate de Alex Machado, evitaram o pior.

Na outra extremidade do terreno, Miguel Carreira tirou o “pão da boca” a Tarcísio, quando este se preparava para atirar à baliza, na sequência de um pontapé de canto, aos 44’.

A abrir o segundo tempo, num livre frontal, Zé Valente ainda obrigou Rui Capela a defender com os punhos, mas o FC Vizela acabou surpreendido logo depois, aos 51’. De canto direto, Luís Neves bateu Rafa e tornou o jogo ainda mais difícil para a turma de Rui Amorim.

Não demorou muito a resposta do treinador dos vizelenses, que, com uma dupla alteração, de uma assentada, incorporou a frente de ataque com mais um elemento.

Naturalmente que o Pedras Salgadas, habituado a praticar um futebol positivo e de ataque, deixou tudo isso de lado a partir do momento em que se colocou em vantagem na casa do líder da prova, optando por “arrastar” o jogo para o seu término ao quebrar ritmos por várias ocasiões.

Não foi por falta de atitude ou vontade que os pupilos de Rui Amorim não conseguiram dar a volta à situação. A equipa atacou, enviou várias bolas para a área, mas a eficácia dos seus jogadores (responsáveis pelo 2.º melhor ataque das provas nacionais) já conheceu melhores dias.

Aos 70’, Leandro Souza ainda foi lá de cabeça, na resposta a um cruzamento de Vitinho, mas um adversário apareceu para o corte in extremis.

No minuto seguinte, aconteceu o tal lance marcante da partida em que André Soares, na tentativa de cruzar mais uma bola, colocou-a dentro da baliza, junto ao poste direito, mas eis que o árbitro viu algo impercetível a todos os presentes, pois não se verificou qualquer contacto na área.

A revolta vizelense conheceu então mais três capítulos, nos quais só faltou eficácia. Panin tirou um adversário do caminho para rematar ligeiramente por cima (84’) e Fall quase chegou a uma bola enviada por Leandro Souza (86’).

No penúltimo dos 6’ de compensação, os mesmos intervenientes provocaram o desespero aos adeptos com Fall a partir de posição regular e a desperdiçar de forma incrível uma assistência de cabeça de Leandro Souza.

Foi desta forma, com um desfecho amargo, que o FC Vizela sofreu a segunda derrota na época (novamente em casa), depois de três vitórias seguidas, duas delas fora, onde a equipa de Rui Amorim detém um registo impressionante (zero derrotas e nenhum golo sofrido).

Em termos classificativos, o FC Vizela mantém-se na primeira posição de forma isolada, mas agora com três pontos sobre a AD Fafe, que resgatou a vice-liderança ao Trofense.

No próximo domingo, dia 17, a equipa vizelense viaja até Mirandela para mais um desafio de grau de dificuldade bastante elevado. Em caso de regresso às vitórias, o FC Vizela sabe que será lucro, pois o rival fafense defronta o Gil Vicente.

 

FICHA DE JOGO

FC Vizela 0-1 Pedras Salgadas

Local: Estádio do FC Vizela (Vizela)

Árbitro: Pedro Campos (AF Porto)

Assistentes: Hugo Santos e Ricardo Pinto

FC Vizela: Rafa; Rafael Viegas, Kiko, Aidara e Igor Rocha; Maks (Vitinho, 56’), Tarcísio, Zé Valente e André Soares (Fall, 77’); Correia (C) (Leandro Souza, 56’) e Panin.

Suplentes não utilizados: Cajó, Kaká, João Oliveira e João Pedro.

Treinador: Rui Amorim

Pedras Salgadas: Rui Capela; Rafa, Carlos Freitas, Lamine Ba e Miguel Carreira; Zé Lopes, Alex Machado (Pedro Silva, 90’+1’) e Luís Neves (C); Danilo Castro (Miguel Lima, 73’), Lenno e Rafinha (Rui Jorge, 81’).

Suplentes não utilizados: Leo Paiva, Rui Faria, Edson e Carlos Rocha.

Treinador: Ricardo Silva

Golo: Luís Neves (51’).

Cartões Amarelos: Lamine Ba (20’), Tarcísio (40’), Alex (55’), Leandro Souza (59’), André Soares (64’), Miguel Carreira (66’), Zé Lopes (83’), Rui Capela (85’), Lenno (88’) e Zé Valente (90’+2’).

Cartão Vermelho: Rafael Viegas (após final do jogo).