Derrota que não esconde bons sinais

Derrota que não esconde bons sinais

“Uma equipa alegre e corajosa”. O resumo de Álvaro Pacheco traduz bem aquilo que foi o FC Vizela no regresso à I Liga, 36 anos depois. O adversário e o palco do jogo já faziam antever complicações. E o Sporting fez jus ao estatuto de campeão nacional e venceu com justiça, deve dizer-se.

A verdade é, porém, que o nosso clube não foi feliz no jogo. Depois de uma primeira parte muito bem conseguida, a tentar jogar olhos nos olhos, um golo do melhor marcador da última Liga – Pedro Gonçalves – logo a abrir a segunda parte, destruiu esse esforço e catapultou, de vez, o Sporting.

Como já escrevemos, o FC Vizela começou muito bem o jogo e dominou os primeiros minutos. E aos 8’ até marcou, por Cassiano, na sequência de cruzamento de Samu, mas o golo foi invalidado por fora-de-jogo. Sem reservas, a equipa continuou sem se esconder e à procura de jogar, mesmo com o Sporting a crescer e, paulatinamente, ir assumindo o controlo do mesmo. Charles teve, entretanto, duas excelentes intervenções, mas pouco mais perigo o adversário ia criando, apesar de uma série de cruzamentos bem medidos por Ricardo Esgaio, à direita, e Rúben Vinagre, na esquerda.

No melhor período do Sporting, Jovane Cabral dispôs da melhor ocasião da primeira parte mas, de penálti, atirou alto e a bola saiu. O intervalo chegou logo depois.

O segundo período começou, como já dissemos, com um grande golo de Pedro Gonçalves (48’), que 15 minutos depois repetiu a dose e a inspiração. A bola entrou mesmo na gaveta e, com 2-0, ficou desfeita qualquer dúvida. Tempo para Álvaro Pacheco promover algumas estreias e para o FC Vizela crescer à procura do golo que lhe permitisse reentrar na discussão do resultado. Não foi possível, apesar de bem o ter tentado. Pelo contrário, Paulinho foi mais eficaz e fez o 3-0, um resultado já pesado e que não ilustra a combatividade da nossa equipa e os bons sinais que ficam para o futuro.

Duas notas importantes que, pouco depois, Álvaro Pacheco sublinhou: nos 16 utilizados, apenas dois jogavam o escalão maior na época passada. E, ao todo, seis vizelenses estrearam-se na I Liga.

 

FICHA TÉCNICA

Sporting CP 3-0 FC Vizela

Local: Estádio José Alvalade (Lisboa)

Árbitro: António Nobre (AF Leiria)

Assistentes: Pedro Ribeiro e Nélson Pereira

4º Árbitro: Dinis Gorjão (AF Setúbal)

Sporting CP: Adán; Gonçalo Inácio, Coates (C) e Feddal (Tiago Tomás, 86’); Ricardo Esgaio, Matheus Nunes, Palhinha (Daniel Bragança, 78’) e Rúben Vinagre (Matheus Reis, 78’); Pedro Gonçalves (Bruno Tabata, 86’), Paulinho e Jovane Cabral (Nuno Santos, 67’).

Suplentes: Maximiano, Luís Neto, Gonzalo Plata e Gonçalo Esteves.

Treinador: Rúben Amorim

FC Vizela: Charles; Koffi (Hugo Oliveira, 86’), Marcos Paulo (C), Kiki e Richard Ofori; Raphael Guzzo, Alex Méndez (Tomás Silva, 67’) e Samu; Cann (Nuno Moreira, 55’), Cassiano (Schettine, 86’) e Kiko Bondoso (Zohi, 67’).

Suplentes: Ivo Gonçalves, Marcelo, João Pais e Adeyemo.

Treinador: Álvaro Pacheco

Golos: Pedro Gonçalves (48’ e 64’) e Paulinho (74’).

Cartões Amarelos: Samu (13’), Koffi (30’), Palhinha (59’) e Tomás Silva (90’+2’).